9 outubro 2021

Agenda 2030 da ODS: O roteiro, para enfrentar a crise.

Por Florinda Pargas Gabaldón.

A Agenda 2030 sobre desenvolvimento sustentável é um roteiro que busca responder aos grandes desafios, alcançar um equilíbrio, fechar lacunas e desigualdades, a nível global. O termo “desenvolvimento sustentável” refere-se ao desenvolvimento que atende às necessidades do presente, mas sem comprometer a capacidade e os recursos das gerações futuras, para atender às suas próprias.

Sob essa premissa, o documento acordado internacionalmente pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em setembro de 2015, é articulado com base em 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que se relacionam entre si. Há uma série de desafios cada vez mais urgentes, exigindo uma abordagem transversal e a participação de todos os atores sociais: Universidades, empresas, governos e sociedade civil organizada, criando espaços de diálogo, troca de ideias e construção de planos de ação para reativar e alcançar esses objetivos. 

A pandemia desestabilizou o crescimento econômico global e levou o planeta a uma grande recessão global que ameaça o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O impacto econômico é cada vez mais alarmante, de fato, as diferentes organizações internacionais e especialistas econômicos do mundo estimaram uma queda no Produto Interno Bruto (PIB) mundial de 3% para 6% ao ano, comportamento não visto desde a crise de 1929. O Fundo Monetário Internacional estima uma queda de 5,2% no PIB da América Latina e caribe.

As pressões que a pandemia exerce sobre o ecossistema global estão colocando em risco o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Sem crescimento econômico, os governos terão menos recursos para enfrentar a luta contra a pobreza e a desnutrição (ODS 1 e 2), o desemprego aumentará, afetando a Meta 8, relacionada ao trabalho decente e ao crescimento econômico.

A meta 4, educação de qualidade, é afetada pelo fechamento de escolas e universidades, com baixa conectividade com a Internet afetando grande parte da população mundial, dificultando o acesso a soluções virtuais eficazes. No mesmo sentido, no que diz respeito ao acesso às tecnologias digitais, a região ainda possui lacunas consideráveis, afetando a capacidade das pessoas de teletrabalho e continuar produzindo em tempos de quarentena, por isso a meta 10 de redução das desigualdades também é afetada, pois embora o vírus seja o mesmo para todos , as condições que você tem que enfrentá-lo são muito diferentes dependendo do estrato econômico ao qual você pertence ou sua condição de emprego.

O uso da água para a realização de ações básicas, como lavagem das mãos e higiene, também tem gerado maior pressão sobre os recursos hídricos, criando efeitos sobre as populações que antes gozavam da continuidade do serviço de água, e aumentando os riscos em populações carentes do líquido, limitando o cumprimento da Meta 6 relacionada à água limpa e ao saneamento. Essa condição de desigualdade que prevalece em nossas sociedades pressiona o Estado de Direito, e há o risco de que a paz social seja quebrada afetando a Meta 16 relacionada à paz, justiça e instituições fortes.

A igualdade de gênero, como meta, é muito afetada (ODS 5) e o aumento da violência contra mulheres e meninas, com um aumento nas denúncias de violência doméstica, como resultado da quarentena obrigatória, gerou alarme em todas as organizações internacionais.

A pandemia está pressionando os sistemas de saúde (ODS 3), afetando a capacidade de cuidar de pacientes com outras doenças ou aumentando o risco de complicações em populações com estado de saúde comprometido. Também afetará os recursos disponíveis para investir em energia verde e haverá menos projetos de investimento, retardando o cumprimento das Metas 7 e 13, relacionadas à energia limpa e às ações climáticas.

A capacidade que temos como sociedade para atender aos ODS até 2030 está em risco; que, em termos práticos, significa que a coesão social, a sustentabilidade e o bem-estar de nossas sociedades estão ameaçados, não apenas de estagnação, mas de piora, e apagando em alguns meses o progresso dos últimos anos.

Daí a importância de governos, empresas e cidadãos começarem a trabalhar juntos, não apenas na contenção e mitigação da pandemia, mas também no enfrentamento dos processos de reconstrução e reabilitação com uma perspectiva de médio prazo, focado não em apagar incêndios, mas na construção, uso de dados e evidências, uma sociedade que caminha mais rapidamente para o crescimento inclusivo e sustentável. e, consequentemente, para uma sociedade mais resiliente.

O grande desafio é fortalecer a cooperação multilateral, a governança e, sobretudo, a solidariedade global. Os ODS podem ser uma bússola nesta tempestade, um gráfico de navegação e até mesmo um bote salva-vidas, para muitos. Cumprir a promessa da Agenda 2030, em prol do desenvolvimento sustentável e reverter a tendência da desigualdade, é um compromisso inevitável com o presente e o futuro da humanidade.

Florinda Pargas Gabaldón

Compartir:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Comentarios:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *